Round 6

Round 6: homem é condenado à morte por piratear série para a Coreia do Norte

Segundo informou o site Radio Free Asia, um homem foi condenado a morte pelas autoridades da Coreia do Norte por contrabandear e comercializar cópias da série “Squid Game”, mais conhecida como Round 6, no país. O homem foi descoberto após descobrirem sete estudantes de ensino médio assistindo a série sul coreana da Netflix. Por causa desses estudantes, o homem foi achado e condenado a morte por um pelotão de fuzilamento.

O site ainda informa que as cópias de Round 6 vieram da China para a Coreia do Norte pelo homem, por meio de versões digitais contidas em unidades flash USB pelo contrabandista. Policiais receberam a denúncia de que um estudante da província de Hamgyong do Norte tinha comprado a série do homem e tinha passado para mais seis colegas que estavam assistindo a série com ele. Sendo assim, os estudantes foram flagrados e capturados pela força tarefa governamental intitulada de “Grupo de Escritório de Vigilância 109”, que cuida de capturar telespectadores e consumidores de conteúdos considerados ilegais pelo governo, como é o caso da série sul coreana.

Também nos acompanhe no Facebook, Instagram e Twitter

Além da pena de morte do contrabandista, o estudante que comprou a série foi condenado à pena de prisão perpétua. Já os amigos que assistiram com ele foram condenados a cinco anos de trabalhos forçados. Na escola, professores e servidores da escola em questão foram demitidos, e provavelmente serão condenados a trabalho forçado em minas de carvão de regiões rurais do país.

As condenações dos alunos acontece pela primeira vez com menores desde a aprovação da lei de “eliminação do pensamento e cultura reacionários”. Ela foi criada ano passado e tem pena de morte para “quem assistir, manter ou distribuir mídia de países capitalistas, principalmente da Coreia do Sul e dos Estados Unidos”, diz o site. A Coreia do Norte agora tenta investigar como o homem conseguiu trazer o material ao país.

Round 6 é a série mais vista da história da Netflix, com mais de 140 milhões de telespectadores em um mês de exibição, e foi proibida em países como Coreia do Norte devido a críticas e alta violência.