Sem ligar para críticas, Record desrespeita público com ‘lixo’, chamado PlayPlus

A Record TV entrou no mercado de streaming com o lançamento do PlayPlus em agosto de 2018, substituindo o R7 Play. A emissora tentou seguir os passos da Globo com o bem sucedido GloboPlay, mas falhou miseravelmente. O aplicativo que prometia acesso a seu grande acervo, se limitou a sete programas da vanguarda, disponibilizando incompletamente seus conteúdos, alguns deles ganharam dois vídeos em sua página, outros só um.

Animada na época, o Grupo Record anunciava produções originais exclusivas para plataforma, mas o que apareceu foi decepcionante. A série de qualidade duvidosa, Terrores Urbanos estreou no PlayPlus em pouco tempo após seu lançamento oficial, a produção foi a única série lançada pelo serviço em 2 anos de existência e nem ganhou nova temporada.
No mesmo ano, o streaming aproveitou destaques da A Fazenda, como Rafael Ilha, ganhador da temporada de 2018, e Nadja Pessoa, para trazer novidade ao serviço pago. O primeiro ganhou um documentário sobre sua a vida. A última gravou um reality show sobre sua rotina diária.

Apostando em produções de baixos custos, a Record deu a alguns de seus apresentadores atrações na plataforma. Xuxa comandou um programa de entrevista, chamado de Geração Xuxa. Ticiane Pinheiro apresentou o De Folga da Fama, Marcos Mion com Pais da Nova Geração com e Yudi Tamashiro com Deu Rec. No entanto, nenhum obteve relativo sucesso.
Feita para se inserir no mundo moderno, PlayPlus tem a pior leiaute, aparecendo que foi feita no século passado. Faltando inúmeras funções fundamentais, o streaming faz o efeito contrário de sua proposta, e acaba dificultando a vida de seus usurários na hora de ‘maratonar’. Várias vezes com lentidão e qualidade de imagem baixa, o serviço tem sido alvo de muitas críticas dos assinantes.

Um dos pontos positivos da plataforma da Record, é o Pay-per-view de A Fazenda, mas ele também um dos produtos do PlayPlus mais críticado. Limitado a uma opção de câmera, o ao vivo do reality de confinamento tem sofrido censura por ordem da direção da Record. A ideia é esconder polêmicas, brigas e confusões para deixar o conteúdo exclusivo para a edição exibida pela emissora. Claro que isso, é um desrespeito de várias as formas para quem presta-se a assinar o serviço com intenção de assistir as prometidas 24 horas de conteúdo ao vivo e sem cortes.

“PlayPlus lixo”, “Cancelem o PlayPlus”, “TikTok cancela PlayPlus” foram algumas das campanhas feitas por internautas no Twitter para mostrar suas indignações à Record TV. Porém, a emissora não se manifesta e ignora todas as reclamações dos usurários.

A cada temporada, streaming ganha milhares de assinantes, a oportunidade perfeita para a emissora fazer diferente e chamar a atenção dos novos usuários para plataforma, mas nada é feito e a experiência se torna uma negação.

Infelizmente, as decisões equivocadas dos executivos da Record TV destroem todas as chances de a plataforma virar um streaming de verdade, agora não passa de um lixo, chamado PlayPlus

Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião deste veiculo de comunicação.